Hélice Contínua

Feitas de concreto, as Estacas Hélice Contínua são moldadas “in loco”, do tipo escavada, ou seja, com a remoção de solo. Sua maior vantagem é o baixo nível de vibrações e de ruído durante a execução. São ideais para terrenos de baixa resistência ou submersos. Sua execução se divide em três fases: perfuração, concretagem e colocação de armadura.

Perfuração

Esta fase consiste em fazer penetrar a hélice no terreno, impondo a ela um torque apropriado para vencer a resistência do solo.

A haste de perfuração é composta por uma hélice com chapas em espiral solidarizada a um tubo central. Sua extremidade inferior possui dentes que permitem cortar o terreno. Além disso, uma tampa impede a entrada de solo no tubo central durante a escavação e permite a saída de concreto durante a concretagem.

A introdução da hélice no terreno é feita por movimento rotacional proveniente de motores hidráulicos localizados na base da torre da perfuratriz, até a cota estabelecida em projeto.

Durante o processo de perfuração, em momento algum a hélice é extraída. Isso impede o alívio do solo durante as etapas de escavação e concretagem, tornando-se possível a sua execução tanto em solos coesivos quanto arenosos, na presença ou não de lençol freático.

Concretagem

Quando a profundidade especificada no projeto é alcançada, o concreto é bombeado para o interior da perfuração, ao mesmo tempo em que se retira a hélice. Esse sistema preenche de maneira uniforme os espaços vazios, evitando o desmoronamento das paredes da perfuração e o seccionamento da estaca.

Em geral, o concreto utilizado apresenta resistência característica de 20Mpa, com consumo mínimo de cimento de 350Kg/m³, sendo facultativo o uso de aditivos (NBR6122). Os agregados resumem-se em areia e pedrisco, com “slump” entre 20cm e 24cm, com obrigatoriedade do uso de bomba de concreto. Essa bomba é acoplada à perfuratriz com mangueiras de alta pressão, com diâmetros de 4“.

No preenchimento da estaca, o sistema pressurizado é mantido até a retirada total do trado na superfície de trabalho. Todo o processo de concretagem é monitorado por computador e sensores presentes na perfuratriz, possibilitando a manutenção da pressão positiva do sistema e o controle de sobreconsumo de concreto.

Colocação da Armadura

Depois de retirado o trado, ocorre a limpeza do solo extraído e a armação é inserida no fuste. Esta armação, em forma de gaiola, pode ser introduzida manualmente ou com auxílio de equipamentos.

Vantagens

Além do baixo nível de ruído e ausência de vibrações durante a execução, este processo ainda tem como vantagens:
  • Alta capacidade de carga das estacas, diminuindo o tamanho dos blocos de coroamento.
  • Grande atrito lateral das estacas, devido ao bombeamento do concreto.
  • Grande poder de perfuração do equipamento, podendo atravessar camadas de solo com SPT alto.
  • Controle e monitoramento eletrônico da qualidade das estacas.
  • Rapidez na execução dos trabalhos.
  • Limpeza no canteiro de obras.
Retornar ao topo · Retornar a página inicial
Rua Santa Luzia, 116
Trindade | Florianópolis | SC
CEP 88036 540
[48] 3335 0050
Rua Liberdade, 120/301
Rio Branco | Porto Alegre | RS
CEP 90420 090
[51] 3029 4400
Rua Emboaçu, 16
Vila Mariana | São Paulo | SP
CEP 04118 080
[11] 5083 4180